Educação em xeque: a polêmica proposta do ensino por slides

04/08/2023

O quanto a medida do governo de SP coloca em risco a qualidade do ensino e o futuro das novas gerações?

Pela primeira vez, as escolas estaduais de São Paulo não vão mais receber os livros didáticos do programa nacional gerido pelo Ministério da Educação (MEC), que compra obras para todo o País há décadas. O secretário da Educação paulista, Renato Feder, resolveu abrir mão de 10 milhões de exemplares para os alunos do ensino fundamental 2 (6º ao 9º ano) no ano que vem para usar apenas material digital.

O PNLD existe – nem sempre com esse nome – há mais de 80 anos no País. Foi reestruturado no governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) quando passou a estabelecer critérios rígidos de avaliação.

O sindicato dos professores da rede estadual (Apeoesp) diz que Feder quer impor “pensamento único a professores e estudantes da rede estadual de ensino, contrariando, mais uma vez, a liberdade de cátedra e o princípio da liberdade de ensinar e aprender”.

Relatório do braço das Nações Unidas para a educação (Unesco), divulgado na semana passada, recomendou o uso da tecnologia como complementação a outras estratégias na sala de aula, e não como substituição. O documento cita pesquisas que indicam efeitos negativos na aprendizagem quando estudantes têm uso considerado intensivo de tecnologias na educação.

Afinal, o quanto a medida do governo de SP coloca em risco a qualidade do ensino e o futuro das novas gerações? O governador Tarcísio de Freitas vai consentir com essa política pública? No ‘Estadão Notícias’ de hoje, vamos conversar sobre o assunto com a presidente executiva do Todos pela Educação, Priscila Cruz.

Ouça o podcast: Estadão Notícias