Especialistas criticam saída de SP do programa de livro didático

JC Notícias – 04/08/2023

Falta de debate público e digitalização de material são principais questionamentos dos especialistas

A decisão do governo do Estado de São Paulo de não aderir ao Programa Nacional de Livros Didáticos (PNLD) a partir de 2024 foi mal recebida entre especialistas em educação. As críticas se concentraram em dois aspectos principais: o fato de a medida ter sido tomada sem nenhum tipo de consulta pública ou aos professores, e a decisão de digitalizar integralmente o material didático para os anos finais do ensino fundamental.

De acordo com a Secretaria de Educação do Estado, a medida trará benefícios rápidos para melhorar o aprendizado.

A mudança estipula que, para os anos iniciais do ensino fundamental, haverá a combinação de material digital com suporte de livros físicos. Já entre o 6º e 9º ano e no ensino médio será implementado um material 100% digital.

Especialistas ouvidos pelo Valor mostram preocupação com a medida em si e com a maneira como ela foi adotada. “Foi autoritária. Não debateram com os educadores e não consideraram que quanto mais se escuta, menos se erra”, reclamou o presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Fábio Moraes.

Veja o texto na íntegra: Valor, 03/08/2023

O Valor Econômico não autoriza a reprodução do seu conteúdo na íntegra.