O que se espera do novo MEC de Lula, que deve priorizar atenção à primeira infância e diálogo com estados e municípios

JC Notícia – 07/11/2022

Entre os desafios, no entanto, estão o resgate da credibilidade e da autoridade do ministro para dialogar como coordenador da política nacional e a recomposição do orçamento

Discussões durante o processo de transição — e até antes da eleição de Luiz Inácio Lula da Silva para presidente do Brasil — têm apontado que o Ministério da Educação mudará sua orientação na formulação de políticas públicas em 2023.

Na pauta, estão uma maior integração com estados e municípios, a criação de uma estrutura para a primeira infância subordinada à Presidência e a criação de medidas para a juventude como o Bolsa Jovem (programa de pagamento de um valor para alunos não deixarem a escola defendido pela senadora Simone Tebet). Além disso, há no horizonte a montagem de um programa específico para aceleração da aprendizagem após as perdas causadas pela pandemia.

Leia na íntegra: O Globo

O Globo não autoriza a reprodução do seu conteúdo na íntegra. No entanto, é possível fazer um cadastro rápido que dá direito a um determinado número de acessos.